sábado, agosto 22, 2009

Sobre a higiene postural e a ergonomia posicional (enquanto ciência)

Tanto o sistema de regras de higiene postural como toda a ciência da ergonomia posicional se baseiam numa lógica de grupo difícil de denegar. Quer isto dizer que há muitos profissionais que se têm ocupado a defender o "posicionamento" correcto nas cadeiras ou nas camas, assim como movimentos ditos fisiológicos que permitam a prevenção de problemas raquidianos. Ora, se há coisa que a Reeducação Postural, enquanto método de intervenção individualista fenomenológica, não trata é de um conjunto de regras ou princípios pré-estabelecidos de posicionamento no trabalho ou na escola. Pois é certo que, atendendo ao facto de que cada indivíduo tem a sua postura definida e idiossincrática, é, por certo, estultícia e estupidez definir regras de higiene postural.
Por exemplo, os ergonomistas e os técnicos de segurança no trabalho gostam de afirmar que o posicionamento de "sentado" deve corresponder aos 90º de ângulo coxo-femural e à "coluna direita". Nada de mais erróneo... Caímos aqui no erro da lógica de grupo ou nomotética... Pois é certo determinar uma mesma postura "correcta" para um homem cuja cadeia posterior é extremamente curta e retraída e para uma rapariga extremamente flexível? Claro que não. Para o primeiro, a manutenção das "costas direitas" seria decerto um tormento, pois a cadeia muscular posterior não possui decerto a flexibilidade necessária para se manter num estado "óptimo" de contracção. Já na rapariga com grande flexibilidade (se é desse caso que se trata), o grande comprimento da cadeia muscular posterior faria com que a manutenção das costas "direitas" acarretasse um esforço bastante menor!
Ora, é portanto óbvio que os posicionamentos ditos "correctos" acarretam diferentes tipos de esforços e consequências relacionadas para diferentes indivíduos, com diferentes posturas. Aliás, a manutenção das curvaturas fisiológicas só pode ser pedida a alguém cuja flexibilidade seja suficientemente grande para que o indivíduo em questão seja portador de uma postura perfeita. Ora, na minha experiência, ainda não vi, entre centenas de pessoas diferentes, alguém que possuísse a postura de um David de Miguel Ângelo...
Daí que toda a ciência ergonómica e da higiene postural deveria passar a ser uma ciência de conotação ideográfica, adaptada às características individuais. Portanto, a prescrição de regras de higiene postural e de ordens para manter as costas num ângulo recto são, à semelhança dos exercícios dos ginásios iguais para todos (como se de um medicamento se tratasse), uma pura fantasia ingénua.
Para além do mais, a manutenção da coluna numa posição de contracção, mantendo o encurtamento dos músculos posturais, os quais deveriam ser alongados e nunca encurtados, contraria as leis do método Mézières, as quais já tantas vezes defendi.
Advogo, portanto, a transformação da Ergonomia e da Higiene Postural numa prática com vista (e análise segundo as regras da escola francesa) à avaliação individual de cada sujeito, tendo em conta as necessidades correctivas - necessariamente diferentes - de cada um. Acabe-se de vez com as "regras". E inicie-se a prática de avaliação da idiossincrasia postural de cada indivíduo, tendo em conta a necessidade de manutenção dos músculos posturais num necessário estado de relaxamento. Aliás, por alguma razão a maioria dos indivíduos não consegue corresponder à regra das "costas direitas"... E isso deve-se à fadigabilidade dos músculos tónicos... trabalhados até à exaustão porque ergonomistas ignorantes e técnicos superiores de segurança no trabalho sem formação adequada resolveram meter a mão em assuntos que não dominam!...

3 comentários:

Jesus disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pedro disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Douglas disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.