sábado, outubro 28, 2006

As posturas GDS

"A estrutura governa a função e submete o psiquismo"
Godelieve Denys-Struyf, in "Cadeias musculares e articulares"
___________
Quem já ouviu falar de Godelieve Denys-Struyf? Provavelmente poucas pessoas. Esta retratista e fisioterapeuta francesa estudou e escreveu sobre o método Mézières e, mais tarde, concebeu uma visão ainda mais apurada da postura, da morfologia e dos traços psicológicos e personalísticos associados a cada estrutura postural (morfopsicologia). O método GDS não é tanto um método de tratamento; é mais uma visão avaliativa e integrativa única que vê o sujeito e a sua morfologia de uma forma verdadeiramente holística (e aqui a utilização desta palavra não é gratuita). As 5, aliás 6 estruturas concebidas por Godelieve devem ser vistas como modelos e também de forma integrativa. Cada uma encarna um "modo de ser", um "modo de estar", um "modo de funcionar", um padrão de activação psiconeurológica e uma gestalt única de conflitos inconscientes, no sentido verdadeiramente psicanalítico do termo.








_________________________

De seguida, reproduzo um texto, adiantando uma espécie de pré-publicação de algo que provavelmente virá a sair numa revista

Cadeias musculares e articulares. O método de Godelieve Denys-Struyf

Desde tempos arcaicos, nomeadamente desde os tempos da pólis grega, registou-se sempre um esforço constante pelo estabelecimento de tipos corporais e temperamentais. A concepção de Hipócrates assentava na existência de “humores” fundamentais – de que falariam mais tarde os médicos de Molière –, os quais eram o sangue (tipo sanguíneo), a linfa (tipo linfático ou fleumático), a bílis (tipo bilioso ou colérico) e a bílis negra (tipo melancólico).
A morfologia viria a estabelecer-se como ciência apenas por volta dos finais do século XIX, pela mão de diversos nomes como o de Sigaud, Mac Auliffe, Pende e Viola. Mas os dois grandes senhores da ciência da tipologia morfológica viriam a ser Kretschmer e Sheldon. Do primeiro sai uma classificação resultante nos tipos pícnico (pequeno e cheio; expansivo, alegre e realista), leptosómico (alto e magro; reservado, frio e meditativo), atlético (impulsivo e colérico) e displásico (mal desenvolvido e/ou com anomalias; dono de sentimentos de inferioridade), enquanto que do segundo sai a clássica classificação tripartida de endomorfismo, ectomorfismo e mesomorfismo.
Aparte a óbvia limitação das citadas classificações, principalmente enquanto modelos teoréticos da personalidade, muitas das teorias supracitadas contribuíram para a edificação de uma forma de ver o corpo como estrutura indissociável da mente. Assim sendo, o conceito de morfopsicologia tem precisamente o seu sentido no facto de muitos dos nossos temperamentos estarem estritamente ligados a caracteres de índole física.
Cabe ter em conta que a postura corporal está dependente de um número incomensurável de factores, nomeadamente factores ósseos e hereditários, o equilíbrio das cadeias musculares, factores de ordem psiconeurológica, assim como certos traços de personalidade e características do self.
Qualquer tentativa de perceber, avaliar e/ou moldar a postura de um indivíduo passa pela necessária perspectivação multifactorial dessa mesma atitude postural. Uma visão redutora leva, portanto, a resultados terapêuticos insignificantes. E as visões redutoras são inúmeras: o modelo médico encara a postura como um conjunto de caracteres ósseos irredutíveis, o modelo da posturologia pensa fundamentalmente na sensação corporal ou proprioceptividade, o método Mézières e a Reeducação Postural Global pensam sobretudo no modelo do equilíbrio das cadeias musculares, e outros métodos, como o Pilates, delongam-se no trabalho muscular profundo.
Uma visão verdadeiramente holística da postura corporal passa pelo necessário conhecimento dos diversos modelos de intervenção. Para além disso, não pode esquecer o papel dos factores psicológicos ou, melhor dizendo, psicossomáticos.
Neste contexto, uma retratista e fisioterapeuta bastante desconhecida dos cânones terapêuticos e académicos nacionais foi especialmente previdente no sentido de compreender a postura nas suas múltiplas variantes. Esta fisioterapeuta não criou sequer um tipo específico de intervenção. O seu método é mais uma forma global de ver a postura. Refiro-me ao método de Godelieve Denys-Struyf (GDS).
Apesar de valorizar a unicidade própria da idiossincrasia postural de cada pessoa, Godelieve Denys-Struyf não deixou de conceber uma classificação de estruturas psico-corporais, à luz de uma teoria de arquétipos. Ela concebeu a existência de cinco estruturas, uma dupla, portanto seis estruturas posturais, as quais dependeriam da cadeia muscular mais solicitada (posturas PM, AM, PA-AP, AL e PL).
A postura PM (póstero-mediana) é, provavelmente, uma das mais modelares estruturas posturais patológicas. Nesta estrutura, o equilíbrio adoptado impele o corpo para a frente, sendo que é a actividade dos músculos posteriores que garante a sustentação da atitude. É observável em todas aquelas pessoas que aparentam possuir umas costas bem esticadas, uma lordose geral facilmente verificável. É muito comum entre os atletas e os instrutores de fitness, os quais chegam a pensar que esta é uma postura louvável. Esta postura pode resultar de uma motivação e de uma escolha, sendo característica das pessoas que desejam possuir um grande controlo sobre a sua vida e a dos outros; é, no fundo, uma postura de combate defensivo, que favorece a ideação e a acção. O seu tratamento depende muito mais do que a inibição do seu padrão neuromuscular característico; eventualmente, na tentativa de contrariar a postura defensiva da pessoa, esta reage com ainda mais tensão, pois, no fundo, é a sua própria identidade que está em jogo. A solução parece estar na regularização das tensões, na modelagem. A musculação, algum Pilates e algum Yoga poderão agravar esta estrutura particular.
A postura AM (ântero-mediana) resulta da actividade dos grupos musculares anteriores, os quais garantem o suporte de um desequilíbrio para trás. Esta postura é extremamente característica, sendo que conjuga a hiperlordose lombar (excessivo arqueamento da coluna lombar) com uma compensatória hipercifose dorsal (inclinação anterior do tórax). As pessoas com a postura AM estruturada tendem a viver na espera, limitado o imprevisível. Se a postura é resultado de uma imposição, então ela releva de um problema de auto-estima, uma dificuldade na relação com o exterior, uma tendência ao fechamento e uma atitude de derrota. As opções terapêuticas variam consoante a natureza causativa da postura: a postura pode ser o resultado de uma “personalidade constitucional profunda e realizada”, pode resultar de uma “personalidade relacional ou de fachada” ou então pode ser o resultado de uma “personalidade adquirida mal vivida, em dificuldade”.
A dupla estrutura PA-AP (póstero-anterior – ântero-posterior) é aquela que mais se aproxima da estrutura de músculos profundos e anti-gravíticos, contribuindo, portanto, para a manutenção de determinado alinhamento vertebral e determinado padrão de achatamento articular. Esse achatamento é mínimo se existir um bom equilíbrio corporal. Por outro lado, se existir um fraco equilíbrio, criar-se-á um padrão específico de trabalho muscular profundo exagerado e desinibido, de modo a contrariar a tendência para a queda, criador de tensões e diminuidor da mobilidade articular. Uma atitude PA-AP não forçada, correcta, alinhada, rigorosa e, no entanto, flexível e agradável, constitui o padrão ideal, estando associado às personalidades mais flexíveis e assertivas. Em especial, a estrutura AP constitui uma espécie de estrela central de todas as outras estruturas, o eixo de todas as personalidades, representando uma personalidade lançada para a maturidade, para a liberdade responsável e consciente. A postura AP é aquela que precisa mais de ser preservada, pois é o padrão que permite a acção e a busca práxica da realização; é a estrutura que busca o devir, permitindo o confronto das forças depressivas da morte. A ginástica, o desporto em geral, a dança e as artes marciais, realizados num espírito lúdico e despreocupado, permitem o desabrochar da AP. Mas o seu desenvolvimento está também dependente do acolhimento da mãe AM, do apoio do pai PM e do suporte celestial PA.
Restam as estruturas secundárias AL (ântero-lateral) e PL (póstero-lateral), vistas nos planos frontal e horizontal (as cadeias mais dinâmicas e relacionais, semelhantes às cadeias cruzadas de Leopold Busquet). A primeira associa-se ao fechamento e à retracção, ao medo e à introversão. Já a segunda associa-se a um outro tipo de tensão, mais posterior, mas permite a abertura, a expansão e a extroversão (é este o tipo de cadeia que é mais trabalhada nas extensões, aberturas e torções do Yoga). Possivelmente, estas duas estruturas interagem no mesmo corpo; AL relacionada com a dominância do membro superior direito e PL relacionada com o apoio no membro inferior esquerdo (isto, claro, para os indivíduos destros). A dinâmica destas estruturas importa à compreensão de todas as assimetrias corporais, assim como das escolioses (desvio lateral da coluna vertebral).
Estas estruturas pertencem ao eixo horizontal, um eixo relacional, enquanto que as anteriores pertenciam ao eixo vertical da personalidade.
O trabalho global das “cadeias musculares e articulares” GDS impõe a sempre impartível relação do terapeuta com o doente e deste com o seu próprio corpo. O trabalho terapêutico deve partir da sempre necessária consciencialização da estrutura, de modo a perceber o seu dinamismo e a inverter alguns dos aspectos que caracterizam a sua patologia. E nunca devemos esquecer que todo o indivíduo é irredutível a uma tipologia, resultando o seu padrão postural e comportamental de uma combinação muito própria de elementos das diversas estruturas tratadas.

15 comentários:

cristovao disse...

nsola luis!

Sou fisioterapeuta no porto a cerca de 4 anos, e fiquei deveras contente e estupefacto com o trabalho que tens realizado. a cerca de dois anos fui fazer a formação de mezieres a frança mesmo na AMIK. e na altura quem me deu a conhecer o gds, foi um formador espectacular responsavel por este metodo em frança, um philippe campignon! um dia seria interessante traze-lo a portugal. ele sabe tanto de biomecanica, a osteopatia a acabar em reeducaçáo. Seria um optimo complemento para nos em portugal.

Alê disse...

Eu trabalho em uma clínica de Fisioterapia (mas não sou fisioterapeuta e sim aux. administrativo), porém percebo que o GDS é muito eficaz no tratamento de pós-operatório e outros.

;)

Pra quem é fisio vale a pena fazer o curso... É muito interessante o estudo que se faz com a visão global do corpo.. Parabens pelo trabalho!!

Érika disse...

Sou acadêmica de fisioterapia e gostei muito do conteúdo GDS, gostaria de me aprofundar mais sobre esse assunto, principalmente em comprreneder o comportamento do indivíduo relacionando-o com seu padrão postural. Isso é muito eficaz para uma melhor entendimento do paciente quando avaliado. Espero poder estar entrando em contato com profisionais que adquirem esse método para avaliação postural. obrigada

Anónimo disse...

Estou implantando aqui na minha cidade esta tecnica GDS, associada ao RPG, E PROCURO UM PROFISSIONAL NA AREA PARA TRABALHAR CONOSCO AQUI EM GOIAS. TENHO UMA CLINICA DE FISIOTERAPIA ONDE TRABALHAMOS C TODAS AS AREAS. SE ALGUEM Q LE ESTA MENSAGEM E QUER MAIORES INFORMÇOES...fisioterapiaaquatica@hotmail.com
atenciosamente
vanessa

celi disse...

Caro Luís,

A dois mêses, marquei uma cirurgia, o médico indicou fisioterapia GDS - préoperatória, nunca tinha ouvido algo sobre isto, nem existia na minha cidade. Como a cirurgia seria em Florianópolis-SC, foi lá que fiz e estou fazenso a fisioterapia GDS, pesquisando sobre o método, encontrei seu artigo que considerei muito interessante, quantas vezer fazemos as coisas, sem a significação e importância que elas merecem, por falta de conhecimento e por não ter a consciência da cadeia de relações que vivemos e somos.
Celi - Professora - Rio do Sul - SC

Anónimo disse...

Sou fisioterapeuta e há seis meses fui apresentada ao metodo GDS, no qual fiquei encantada, hoje faço o curso de formação e como o GDS deu uma levantada na minha vida profissional, hoje trabalho com O metodo em minha cidade, que está sendo muito bem aceito por meus pacientes. Muito interessante seu artigo sobre o metodo. Parabens!!!!!!!

Anónimo disse...

Sou fisioterapeuta e já terminei o curso de GDS. Acho que o que foi escrito acima está um pouco equivocado. O método de cadeias musculares não é só uma visão global do paciente, é uma visão biomecânica detalhada e uma forma de tratamento que dá ótimos resultados. os aspectos psicologicos deveriam ser revisto, pois nao é bem assim da forma que está explicando.

Anónimo disse...

Apesar de alguns errinhos.... em relação as descrições do GDS, percebo que vc está prestando um ótimo trabalho de divulgação deste método maravilhos e pouco conhecido. O GDS é assim mesmo... tão complexo que fica difícil até para quem é formado rsrs, meu caso, que levei 10 anos para terminar a formação no Brasil e sinto que precisarei da vida toda para compreendê-lo...pois ele se dá na relação com o nosso paciente.... ambos são únicos - paciente e diagnóstico GDS - Como terapeutas devemos possibilitar aos nossos pacientes o "auto-gerenciamento" de sua morada - o corpo em sua expressão mais ampla...

Um abraço
Luciana Manolio - Guarulhos (SP) Brasil.

FRANCIELI disse...

Sou academica de fisiotrerapia,trabalho a dois anos em uma clinica e nunca tinha ouvido falar na ténica GDS,pesquisei um pouco sobre o assunto e gostaria de ter mais informações sobre ,se tem curso no brasil sobre o assunto.

Anónimo disse...

Olá.
Acho que há um erro no texto. G.D.S é um método de educação somática criado por Godelieve Denys Struyf e não por mezieres que é a criadora da Antiginástica. SEgundo erro Denys Struyf nasceu no continente Africano e desenvolveu seu método na Belgica. O metodo GDS é um metodo de tratamente e não somente avaliativo da postura.

Anónimo disse...

Há alguns erros no texto:
1° O nome da Autora criadora do DDS é Godelieve DEnsys Struyf- nasceu no Gongo AFrica e Atuou na Europa - Belgica. O GDS é um metodo de educação somática diferente da Antiginásitca criada por mezieres (Francesa). O metodo alem de ser avalitivo quanto a questão psicomorfológica também condiciona o paciente a um tratamento.

Luís Coelho disse...

Caro Anónimo: Em nenhuma parte do meu texto digo que Mézières é que criou o método GDS, o que posso ter dito é que o método GDS é um dos métodos que deriva do método Mézières, à semelhança da Antiginástica (este criado por Bertherat e não Mézières).
Não há, portanto, qualquer erro dos que disse no texto. Aconselho-o a reler o que escrevi, pois não deve ter feito uma leitura atenta.

Anónimo disse...

OLá , sou formada no método gds , apesar de sua esplançoes serem boas , deve certificar que esse método não derivado de mezier ou qualquer outro método especifico , iniciou de seus estudos de posturas e biomecanima assim como dos aspectos psicossomáticos dessas posturas .

Stela Maria Faggin disse...

Olá! Sou Psicomotricista e fiz minha formação - Mme. Béziers - na Escola do Movimento de Ivaldo Bertazzo, representante da técnica no Brasil. Dei início a formação em GDS também no Brasil, mas gostaria muito em dar prosseguimento aqui na Europa, pois pretendo me mudar para cá. Em Portugal teria a facilidade por conta da língua.Quando será que daria inicio dessa formação por ai!? Existe mesmo essa possibilidade!? Gostaria de manter contato. Agradeço antecipadamente.

VERA BRUDER disse...

Eu também li que Godelive era francesa, humildade para reconhecer o erro faria bem a vc! Entretanto, como disse a colega acima, mesmo assim vc presta um serviço muito importante divulgando o trabalho da Godelive, parabéns!